Blog Gestão de RH

Ver todos posts do Blog

Conheça a melhor forma de oferecer benefícios para o seu funcionário

Um ambiente de trabalho saudável é feito de colaboradores satisfeitos. Para mantê-los felizes e motivados, é preciso oferecer benefícios que devem ir além da remuneração salarial. Um bom programa de benefícios funciona como um atrativo para novos talentos, além de manter a equipe trabalhando por um longo período.

Entre os pagamentos fixos da empresa, estão as férias, FGTS, 13º e o vale-transporte. Além disso, outras oportunidades podem ser disponibilizadas, como vale-alimentação ou vale-refeição, plano de saúde, plano odontológico, auxílio cesta-básica, combustível, entre outros.

Algumas vezes, o colaborador aceita ganhar menos em um determinado emprego se os benefícios forem atrativos. O que as empresas precisam ter cuidado na hora de repassar estes benefícios para os seus funcionários é com as leis trabalhistas e a forma de pagamento. Principalmente nos casos de pagamentos não-obrigatórios, mas constantes como vale-alimentação, pois o valor dado em dinheiro pode se configurar como salário.

Outra forma comum de bonificação do funcionário é através de prêmios por produtividade ou metas conquistadas. Se o pagamento for feito em dinheiro, entrará também nos cálculos de FGTS e 13º, aumentando os impostos pagos por sua empresa.

Se o funcionário, ao sair da empresa, quiser contestar estes pagamentos na justiça, ele pode ganhar o direito a vencimentos retroativos. Mesmo com a reforma trabalhista, em vigor desde 2017, que autoriza o pagamento destes benefícios, o uso direto do valor ainda pode trazer problemas para o empregador.

Existem diversos casos na justiça em que este cenário foi montado pelo colaborador após a sua saída. Isso significa que, sem ter como provar que aquele valor a mais na conta se baseava em um benefício e não em salário, os impostos foram cobrados de forma retroativa.

Ao pagar estes benefícios em dinheiro, fica mais difícil para a empresa ter o controle do que está sendo utilizado ou não pelo funcionário e se o propósito a que foi destinado está sendo respeitado, além de oferecer mais segurança para os dois lados.

Às vezes, a empresa até gostaria de oferecer uma maior remuneração, mas não consegue assumir todos os custos contratuais que um aumento de salário exige. Por isso, investir nestes benefícios é a melhor opção para evitar problemas com funcionários, já que há a dedução dos impostos e também o comprovante de uso.

Diante disso, a melhor forma de oferecer o benefício de alimentação ou refeição é através do PAT. O Programa de Alimentação do Trabalhador, que já existe desde a década de 60, segue uma cartilha única de direitos e deveres da empresa. Desta forma, é possível isentar-se dos encargos sociais, além de ter uma dedução de até 4% no imposto devido às despesas com alimentação.

O PAT começou a ser oferecido como ticket em papel, mas hoje é muito comum o seu uso em formato de cartão. Funciona como um cartão de débito, em que é colocado o crédito referente ao valor combinado com o colaborador.

De forma prática e segura, o funcionário ganha uma enorme variedade de locais para usar o seu benefício, que funciona como um importante complemento de renda. Mas, é importante lembrar, uma vez inscrita no PAT – e aproveitando das vantagens que ele oferece – a empresa não pode disponibilizar o benefício em espécie.

Além destes vales, outros benefícios podem ser oferecidos como cartão. A variedade de produtos atende praticamente qualquer necessidade de uma empresa, além de agradar o colaborador. A principal vantagem, além da dedução do imposto, é a segurança. Esta é a forma mais eficaz de garantir que o valor será destinado ao seu propósito inicial e não usado de outra forma.

A principal melhoria da reforma trabalhista foi a de assegurar que estes pagamentos não serão incorporados ao salário, possibilitando economia para o empregador. Desta forma, eles podem oferecer outras vantagens trabalhistas para a sua equipe.  E, através do uso do PAT, por exemplo, há a dedução de impostos, que permite uma economia ainda maior.

Em caso de pagamentos esporádicos, como premiações, também há a possibilidade de ter esse controle. Com um cartão exclusivo para este tipo de repasse, a empresa pode definir até em quais segmentos que este valor pode ser utilizado.

Ao aliar o bem-estar do colaborador com a saúde financeira da empresa, o resultado é satisfatório para todos os envolvidos. É preciso oferecer incentivos para sua equipe, ao mesmo tempo que é necessário manter a segurança jurídica dos empregadores. Encontrar o equilíbrio, sustentados pelas leis trabalhistas, é a melhor forma de alcançar o sucesso.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *